EMBRAER

  • 27/04/2020

EMBRAER

Embraer diz que Boeing usou falsas alegações para romper fusão

foto_principal.jpg

Boeing anunciou nesse sábado o rompimento do contrato para comprar a divisão de jatos regionais comerciais da Embraer por 4,2 bilhões de dólares.

A fabricante brasileira de aeronaves Embraer disse neste sábado, em comunicado à imprensa, que “acredita firmemente que a Boeing rescindiu indevidamente” o acordo pelo qual a americana compraria a unidade de jatos regionais da brasileira por 4,2 bilhões de dólares.

O encerramento da fusão foi anunciado na manhã de sábado pela Boeing, que alegou que a Embraer não teria cumprido todas as condições previstas no contrato para a concretização da transação.

“A empresa acredita que a Boeing tenha adotado um padrão sistemático de atraso e violações repetidas ao acordo devido à falta de vontade em concluir a transação, à sua condição financeira, aos problemas com o 737 MAX e a outros problemas comerciais e de reputação”, diz a Embraer no comunicado.

“A Embraer acredita que está em total conformidade com suas obrigações previstas no acordo e que cumpriu todas as condições necessárias previstas até 24 de abril de 2020. A empresa buscará todas as medidas cabíveis contra a Boeing pelos danos sofridos como resultado do cancelamento indevido e da violação do acordo.”

A Boeing anunciou a decisão de desistir do acordo com a Embraer na manhã do sábado 25. O prazo para que o acordo fosse selado definitivamente terminou ontem.

Na prática, o que estava acordado há quase dois anos era a compra da unidade de aviação comercial da Embraer pela Boeing, na proporção de 80%. A companhia brasileira manteria 20% de participação minoritária como sócia da gigante americana. Sem o negócio, a Embraer “volta” a ser uma fabricante brasileira de aviões.

Pelo acordo, a Boeing pagaria 4,2 bilhões à Embraer no fechamento. O desembolso teria de ocorrer agora, após a assinatura final – ou seja, no meio da crise de liquidez do setor devido à pandemia do coronavírus. Outra parte da transação é que haveria a formação de uma joint-venture para a produção do avião de uso militar KC-390.

“A Boeing trabalhou diligentemente por mais de dois anos para a finalizar a transação com a Embraer. Durante os últimos meses, nós tivemos produtivas mas frustradas negociações sobre condições materiais precedentes não concluídas. Nós todos desejávamos concluir isso até a data final, mas não aconteceu”, afirma Marc Allen, presidente da Embraer Partnership & Group Operations. “Estamos profundamente desapontados.”


Aplicativos


Locutor no Ar

RADIO RITZ

Baú da Ritz

06:00 - 12:00

Peça Sua Música

Nome:
E-mail:
Seu Pedido:


Top 5

top1
1. RICK ASTLEY

Never Gonna Give You Up

top2
2. ROXETTE

How Do You Do

top3
3. SKANK

Garota Nacional

top4
4. BON JOVI

Its My Life

top5
5. BIQUINI CAVADÃO

Vou Te Levar Comigo

Anunciantes